esclerose múltipla

Vitamina D e esclerose múltipla: uma relação tóxica?

Publicado hace 5 meses por Un ensayo para mí

Baixos níveis de vitamina D estão associados ao risco de esclerose múltipla. Mas tomar grandes quantidades dessa vitamina pode ser prejudicial aos pacientes.

Vitamina D y esclerosis múltiple: ¿una relación tóxica?

As primeiras indicações da relação entre vitamina D e esclerose múltipla não vieram da medicina, mas da geografia. Alguns cientistas notaram no século 20 que a maioria das pessoas com esclerose múltipla vivia onde o sol era mais desejável, longe do Equador e perto dos pólos. A chave para explicar esse padrão geográfico parece estar na vitamina D, que depende da luz solar para sua síntese.

A vitamina D é essencial para o corpo regular o cálcio nos ossos, ativar processos cerebrais, secretar insulina, manter a pressão arterial adequada e se defender contra patógenos. A vitamina D também modula as respostas imunes do corpo.

Em humanos, 90% da vitamina D é obtida através da luz solar e 10% é adquirida através da dieta. Apenas 10 a 20 minutos de exposição ao sol são suficientes para o corpo produzir o equivalente a 10.000 unidades internacionais (UI) de vitamina D. Em contrapartida, uma porção de salmão fornece apenas 400 UI.

 Para sintetizar a vitamina D, a luz solar (radiação ultravioleta do tipo B) deve interagir com as moléculas de colesterol na pele. (Então, o fígado e o rim terminarão o processo de ativação da vitamina D, para que ela possa ser utilizada em diferentes funções do organismo). Assim, as pessoas que vivem em regiões que recebem pouca luz solar, muitas vezes sofrem com a diminuição da concentração de vitamina D no sangue. Essa deficiência de vitamina D tem sido associada em vários estudos a uma maior probabilidade de sofrer de doenças inflamatórias crônicas, como a esclerose múltipla.

Embora poucas dúvidas permaneçam hoje sobre a ligação entre a vitamina D e a esclerose múltipla, ainda existem muitas dúvidas sobre a causalidade da relação. É a falta de vitamina D que causa esclerose múltipla ou os pacientes sofrem de deficiência de vitamina D como resultado de doença autoimune? A insuficiência de vitamina D é o produto de genes alterados, ou os pacientes adquirem uma resistência à absorção desse nutriente devido ao local onde vivem ou a outros fatores ambientais? Será suficiente fornecer suplementos de vitamina D em grandes doses ou expôr os pacientes ao sol por horas para reverter a doença? A resposta a essas perguntas é menos simples do que se acredita.

Vitamina D:protetora ou tóxica?

Nos últimos anos, alguns pesquisadores propuseram o uso de grandes doses de vitamina D junto com medicamentos para manter os pacientes com esclerose múltipla em remissão. De fato, alguns ensaios clínicos mostraram benefícios da suplementação de vitamina D em pacientes com esclerose múltipla recorrente-remitente (EMRR).

No entanto, ainda não há evidências conclusivas de que a suplementação com essa vitamina na forma de colecalciferol (vitamina D3) ou ergocalciferol (vitamina D2) previna a progressão para incapacidade a longo prazo em pacientes com esclerose múltipla. Alguns estudos mostraram uma diminuição nas lesões cerebrais, mas não diminuíram o número de recaídas. As melhorias observadas na maioria dos estudos científicos não foram estatisticamente significativas, alertam os especialistas.

É que a vitamina D é essencial para regular o funcionamento do sistema imunológico, mas sua deficiência não é o único fator de risco para a esclerose múltipla. Há quem até postule que um excesso de vitamina D poderia contribuir para o agravamento da doença devido aos seus efeitos de ativação no sistema de defesa do organismo.

  A vitamina D costuma influenciar o sistema imunológico por meio dos linfócitos B e T, além da produção de citocinas e outras substâncias que estão envolvidas na inflamação. Embora esses processos imunológicos sejam normalmente benéficos na presença de níveis normais de vitamina D, já foi observado em animais de laboratório que quantidades elevadas de vitamina D podem promover uma reação exagerada das respostas imunes que, por sua vez, exacerbam as manifestações da doença. esclerose múltipla ao nível do sistema nervoso central.

Níveis seguros de vitamina D

Em humanos, há muito se sabe, que a vitamina D pode ser tóxica em grandes quantidades, levando à fadiga, fraqueza muscular e distúrbios urinários, sintomas que podem ser confundidos com manifestações de esclerose múltipla. Excessos de vitamina D também podem levar a arritmias cardíacas, convulsões nervosas e distúrbios renais, incluindo cálculos renais. Por isso, especialistas ressaltam que a administração de vitamina D deve ser cuidadosa e adaptada a cada paciente com esclerose múltipla.

A recomendação atual para a população geral é não exceder 600 UI (unidades internacionais) de vitamina D em suplementos diários. De acordo com o Institute of Medicine (IOM) dos Estados Unidos, doses de 50.000 unidades diárias de vitamina D podem ser tóxicas se mantidas por vários meses.

Alguns médicos recomendam que pacientes com esclerose múltipla e deficiência de vitamina D tomem suplementos de vitamina D em altas doses (até 50.000 UI) por três meses para níveis normais, seguidos por uma dose de manutenção baixa (2.000 a 4.000 UI diariamente). Isso poderia diminuir a gravidade de seus sintomas em períodos ativos da doença e proporcionar-lhes uma melhor qualidade de vida.

No entanto, o chamado “Protocolo de Coimbra”, que propõe a ingestão diária de quantidades ultra-elevadas de vitamina D (50.000 a 300.000 UI), pode ser perigoso para pacientes com esclerose múltipla, segundo investigadores austríacos e alemães liderados pelo neurologista Júlia Feig.

A quantidade máxima de vitamina D que pode ser ingerida com segurança, de acordo com MedlinePlus, é:

1.000 UI/dia (25 mcg/dia) para bebês de 0 a 6 meses

1.500 UI/dia (38 mcg/dia) para bebês de 7 a 12 meses

2.500 UI/dia (63 mcg/dia) para crianças de 1 a 3 anos

3.000 UI/dia (75 mcg/dia) para crianças de 4 a 8 anos

4.000 UI/dia (100mcg/dia) para crianças de 9 anos de idade ou mais e para adultos.

A concentração normal de vitamina D é de cerca de 30 nanogramas por mililitro de sangue. Mais de 150 ng/ml indica intoxicação, enquanto que menos de 20 ng/ml indica deficiência da vitamina.

Ensaio clínico para pessoas diagnosticadas com esclerose múltipla

Na América Latina, pesquisas médicas estão sendo realizadas para verificar a eficácia do fenebrutinib. Este ensaio clínico de Fase III visa estabelecer o quão bem-sucedido este novo tratamento pode controlar os sintomas da esclerose múltipla remitente recorrente e a progressão da esclerose múltipla primária progressiva.

Pesquisa médica para pessoas diagnosticadas com esclerose múltipla

CA participação em um ensaio clínico é gratuita para o paciente voluntário

Inscriva-se agora

A participação em um ensaio clínico é gratuita para o paciente voluntário. Para obter mais informações, basta preencher um pequeno formulário com os seus dados para que possamos contactá-lo e avaliar se cumpre os requisitos médicos necessários.